A prática da postergação da produção na cadeia de suprimentos

A prática da postergação da produção na cadeia de suprimentos

0
(0)

Segundo o Dicionário Online de Português, postergar significa adiar, deixar para outro momento, para depois. Mas o que isso tem a ver com a logística de uma cadeia de suprimentos? Postergação da produção? Como?

A postergação ou do inglês, postponement, é uma prática adotada em algumas cadeias de suprimento exatamente com aquele objetivo apresentado na definição do verbo: deixar para depois. Com isso, essa prática está relacionada com a otimização dos custos logísticos da cadeia, geralmente associada à redução dos estoques.

Já analisamos em nosso blog, a importância do trade-off entre custos logísticos e o nível de serviço ao cliente, também impactado pela postergação da produção.

A prática da postergação (postponement) cresceu muito nos últimos anos, como decorrência da SCM e do processo de globalização da economia como um todo.

PIRES, Silvio R. I. Gestão da cadeia de suprimentos: conceitos, estratégias, práticas e casos – Supply chain management.  São Paulo: Atlas, 2004. p. 215.

Um exemplo típico de postergação na cadeia de suprimento é o adotado pelas empresas de tintas. Por exemplo, hoje, quando você quer pintar a sua sala e precisa comprar uma tinta para essa tarefa, o que faz?

Postergação da produção na indústria de tintas
São tantas as opções disponíveis de cores, que muitas vezes o cliente fica em dúvida sobre qual cor selecionar.

Em geral, você busca um home center ou loja de tintas, onde lhe oferecem um catálogo com inúmeras famílias e tonalidades de cores para você selecionar aquela que mais lhe agrada. Então, a tinta é produzida ali, na sua presença. Isso é postergação e talvez você nem tenha conhecimento de que através dessa prática a empresa otimiza seus custos.

Postergação na produção

O exemplo citado acima, além daqueles adotados na produção de alguns outros produtos, é um exemplo de postergação da produção. Veja que dessa forma, a empresa reduz significativamente seus estoques, não tendo que ter disponível uma centena de latas de tintas de cores diferentes. Basta dispor das bases da tinta e dos corantes, que de acordo com a escolha do cliente, serão dosados para a produção da quantidade de tinta que ele precisar e da cor que selecionar.

Dessa forma, a empresa consegue também uma outra vantagem que é a de customizar as cores de forma que ao invés de simplesmente você comprar uma tinta verde, você pode escolher uma entre tantas variações da cor verde quanto seja possível produzir a partir da mistura dos corantes.

Tecnicamente diríamos que postergar a produção é não terminar a configuração final do produto até que sua demanda seja conhecida. Assim, reduzindo os estoques necessários ao longo da cadeia de suprimento para atendimento ao mercado.

Qualquer produto pode ter a produção postergada?

Agora poderíamos perguntar: é viável postergar a produção de qualquer produto? E a resposta é não! Porque para que seja possível postergar a produção de um produto é necessário que ele possa ser produzido em partes. Dessa forma é possível compor o produto mais adiante. Existem, portanto, alguns requisitos para que a postergação da produção seja possível:

  • Viabilidade de divisão do processo de produção em uma parte genérica e outra customizada;
  • Possibilidade de montagem do produto de forma modularizada (de forma a que seja possível combinar uma série de possibilidades);
  • Baixa complexidade tecnológica tanto da produção da parte genérica quanto da montagem final;

Em uma cadeia de suprimentos, a postergação pode se dar por tempo (atrasar até que se receba o pedido do cliente). Também pode ser por lugar (postergar para pontos de produção próximos ao cliente) e por forma (postergar ao máximo a produção final). Assim, quando a postergação se dá por tempo e lugar, chama-se de postergação logística e quando se dá como combinação das três formas, é chamada de postergação da produção.

Vantagens da postergação

Como já comentado, uma das maiores vantagens é a redução dos estoques, pois é necessário apenas a produção, armazenamento e movimentação dos produtos genéricos utilizados na customização do produto final. O grande impacto dessa prática é a redução dos custos, principalmente com os estoques, já que a previsão de demanda é mais fácil de ser realizada, pois existe uma quantidade menor de produtos.

Outra vantagem está relacionada ao fato que, dependendo das características do produto genérico, o mesmo pode ser utilizado para a produção de diferentes tipos de produtos. Dessa forma, é possível atender a diferentes necessidades de customização, elevando o nível do serviço prestado ao cliente.


Se você gostou desse assunto saiba que este e muitos outros, relacionados à logística empresarial, são discutidos em nosso curso Logística Integrada na Cadeia de Suprimento. Clique aqui e conheça o programa completo do curso.

REFERÊNCIAS:

DICIO. Dicionário Online de Português.

PIRES, Silvio R. I. Gestão da cadeia de suprimentos: conceitos, estratégias, práticas e casos – Supply chain management.  São Paulo: Atlas, 2004. p. 215.

Como você classifica esse post?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.